O que as empresas ganham ao incentivar os funcionários a demonstrarem suas emoções
21 de junho de 2019
Coaching&Carreiras

E sagrado. Semanalmente; no mínimo, de 15 em 15 dias, os gestores da fintech Creditas se reúnem com cada um de seus colaboradores. Um a um. Os encontros duram 30, 40 minutos e ninguém está interessado em meta a ser batida, Ebitda ou otimização da performance profissional. Nada disso. O assunto? Vida pessoal. Sim, o líder é todo ouvidos para as alegrias e tristezas, expectativas e frustrações de seus subordinados além escritório. Instituído em 2016, sob o comando de Giulia Silveira, coordenadora de cultura e desenvolvimento, o programa batizado de one a one serve de paradigma para uma revolução na liderança corporativa. As emoções são (muito) bem-vindas ao mundo do trabalho. Agora pode… Pode chorar, rir, esbravejar… E, acredite, os negócios têm muito a ganhar quando seus funcionários estão livres para ser quem são.

Uma das startups mais badaladas do mercado financeiro no Brasil, a Creditas trabalha o pilar da autenticidade desde sua fundação, em 2012. A orientação é do espanhol Sergio Furio, um ex-consultor de grandes corporações na Europa e nos Estados Unidos e que viu na falta de concorrência do sistema bancário brasileiro a oportunidade de empreender. Tem funcionado. Na área de recursos humanos, é a segunda startup mais bem avaliada pelos empregados na plataforma Love Mondays. Quase todos eles (exatos 96%) classificam a empresa como um bom lugar para trabalhar. Neste quesito, aliás, há um dado interessante. Das cerca de 300 vagas abertas nos últimos meses, cerca de metade foi preenchida por pessoas indicadas pelos próprios colaboradores da fintech. Só faz isso quem está genuinamente comprometido com o trabalho.

Aumentar o engajamento dos funcionários é um dos grandes desafios das empresas nos dias de hoje. Segundo o relatório do Instituto Gallup de 2017, o mais recente sobre o assunto, apenas e tão somente 15% dos empregados em 155 países dizem estar de fato vinculados à organização onde trabalham. E são essas pessoas que, entusiasmadas com o dia a dia no escritório, “se sentem ‘donas’ do negócio, impulsionam a inovação e levam a organização adiante”, resumem os pesquisadores do Gallup, na conclusão do trabalho. Outro levantamento do mesmo instituto, intitulado “Como o envolvimento dos funcionários impulsiona o crescimento”, com 49 indústrias em 34 países, traz um dado revelador: profissionais motivados rendem 25% mais do que seus pares sem estímulo para o trabalho. Se há entusiasmo e motivação, há emoção.

Alguém que não vibre com uma conquista profissional ou que dê de ombros para um feedback negativo, convenhamos, não dá muita bola para o trabalho — o que, definitivamente, é um atraso para os negócios, em todos os aspectos. A canadense Liane Davey, especializada em psicologia organizacional, é um dos principais nomes no estudo do impacto das emoções no trabalho. Escritora e cofundadora da consultoria 3cCOze, no artigo “Lidando com explosões emocionais em sua equipe”, Liane derruba velhos mitos. São eles:

Trabalho não é lugar para demonstrar emoções
Se você trabalha com seres humanos, tem de lidar com emoções. Ignorá-las, sufocá-las ou invalidá-las apenas jogará para debaixo do tapete questões que devem ser reveladas e debatidas. Essa noção ultrapassada, escreve Liane, é uma das principais razões pelas quais as pessoas assumem um comportamento passivo-agressivo. Não tem jeito. As emoções encontrarão um jeito de vir à tona.

É desperdício de tempo conversar sobre os sentimentos dos funcionários

E você tem tempo para lidar com subterfúgios? Para voltar a uma mesma questão várias vezes? E para decisões baseadas em erros? Evitar os problemas emocionais da equipe, alerta a psicóloga, só retarda sua manifestação. É preciso dar vazão às emoções. Quando as pessoas não se sentem ouvidas, elas costumam guardar seus sentimentos até o momento em que, frustradas e exauridas emocionalmente, explodem.

As emoções distorcem as tomadas de decisão
Não há decisão sem emoção envolvida. É mais prudente permitir que ela se manifeste de modo a compreendê-la e dominá-la do que mantê-la escondida. Mais cedo ou mais tarde, em algum momento essa emoção virá à tona. Quanto antes lidar com ela, melhor.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>